quarta-feira, 12 de novembro de 2014

MADRID - Parte II


Dia 15/11/2012, tentei distribuir a dose de cultura ao longo dos dias em MADRI, mas não deu. A ideia era visitar, pelo menos, 2 museus por dia. E como no primeiro dia não fui a nenhum, caprichei nesse dia. Para uma primeira vez, não há dúvidas: o Prado e o Reino Sofia são os mais importantes.

O Museu do Padro inaugurou recentemente uma ala nova gigantesca. O que antes já era um dos melhores museus da Europa e a maior demonstração do poderia cultural espanhol, ficou 50% maior, com 22.000 m2 a mais de área de exposições, piso de rocha vulcânica chinesa, passagem ligando o prédio novo ao antigo e peças recém adquiridas.


Entrada do Museu do Padro

Aos seus muitos Goyas, Velazquez, Botticellis, Rubes e outros pesos-pesados somaram-se preciosidades como El Toro Mariposa, de Goya. Mas para quem não é chegado em um museu vai achar o passeio a coisa mais chato do mundo. Depois de visitar tantos museus pela Europa constatei que o Louvre é, de longe, o melhor. Principalmente para os não amantes da arte! 


Estátua em homenagem ao Goya em frente ao Museu do Padro

Praticamente ao lado, o Museu Reino Sofia, onde está o Guernica de Picasso, também tem cheirinho de novo, já que passou por uma baita reforma em 2005. 

Entrada do Museu Reino Sofia 

Um das galerias do museu Reino Sofia

Entre um museu e outro aproveitei para descansar no Parque del Retiro, o Ibirapuera madrileno. O parque foi criado entre 1630 e 1640 e possui 118 hectares.

Parque do Retiro

O parque é fantástico, não só pela sua beleza, mas por sua história também. A Porta de Espanha, o Monumento a Afonso XII, a Fonte do Anjo Caído, o Palácio de Cristal, a Casa das Feras e o Passeio das Estátuas compõe esse lugar mágico.


Parque do Retiro


À noite fui à boate Joy Eslava, que fica apenas alguns metros do hostel que me hospedei. Eu disse que a Calle Arenal é o que há! A Joy era um teatro que foi convertido em uma discoteca. O ambiente bucólico e jovem tornam essa boate única. E as dançarinas são um show a parte!

Joy Eslava - A Marinheira


Joy Eslava - Para ter uma noção da boate.


Joy Eslava - Para ter uma noção da Marinheira #apaixonei

Dia 16/11/2012, como já tinha cumprido os principais pontos turísticos de Madri, aproveitei para gastar a sola dos sapatos entre Chueca e Malasañas, dois bairros da moda. Cheios de lojinhas criativas, restaurantes badalados, bares e o Mercado de Fuencarral


A Plaza de Chueca é um ótimo lugar para tomar uma cervejinha vendo o vai e vem da galera. Passei o resto do dia lá. A balada por lá também garante a diversão, mas fiz como os madrilenos e pulei de bar em bar a noite toda. É bom que você não enjoa do lugar.

Um "PS" fora de hora: Uma salva de palmas para os artistas de rua de Madri!

 

FOTOS da visita à Madri.




E fui dormi animado para conhecer no dia seguinte a próxima e última cidade da viagem: Toledo!

MADRID


Dia 13/11/2012, depois de 10 dias viajando pela Itália, continuei minha Eurotrip 2012 pela Espanha para finalizar com chave de ouro. Para mim, a Espanha é o melhor país da Europa, aliás, do mundo! Nesse país estão as minhas cidades preferidas; Barcelona, Madrid e Ibiza. Um país que reúne história, cultura, agitação e diversão. Bem, parei de babar ovo da Espanha.



Fui de Milão para Madrid de avião. Chegando em MADRID, peguei o metrô do aeroporto e depois de algumas baldeações cheguei na Calle Arenal, rua onde localiza-se o hostel Los Amigos, onde que fiquei hospedado. Simpático, aconchegante e com uma excelente localização. Calle Arenal é o que há!

Quarto no Hostel Los Amigos

Como cheguei tarde no dia 13, minha jornada pela frenética capital espanhola começou no dia 14/11/2012, pelo seu coração, a Puerta del Sol. Este é o marco zero de Madrid; agitadíssima, vibrante e com uma pitada de caos. Neste dia tinham vários personagens infantis acenando para os turista que por ali passavam. No dia seguinte eu encontraria uma manifestação contra a política econômica do país, era a época que a Europa estava no auge da crise.


Chafariz na Puerta del Sol



De lá segui pela Calle de Postas até a Plaza Mayor, uma das mais lindas do país. Perdi algumas horas por lá curtindo os músicos e artistas de rua, o vai e vem nos cafés, a milagrosa calmaria no meio do agitadíssimo centro da cidade. Depois, depois conheci as vielas e becos dos arredores até chegar na Calle Mayor para seguir em direção à Catedral de Almudena.


Catedral de Santa Maria a Real de Almudena

Essa Catedral é a sede episcopal da diocese de Madri, sua arquitetura é uma mistura de vários estilos: neoclássico no exterior, neogótico no interior e neorromântico na cripta. A diferença desta catedral em relação às demais é a sua orientação norte-sul, sendo que o habitual é leste-oeste; isso foi fruto de sua construção em conjunto com o Palácio Real de Madri, que fica ao lado.

Palácio Real de Madri

Da Catedral segui para o Palácio Real, onde rola um cerimonial de troca de guarda para londrino nenhum botar defeito. Toda primeira quarta-feira do mês, às 11 horas, a Plaza de la Armería vira palco da Troca Solene da Guarda Real. Confesso que acho troca de guarda um saco e como não era a primeira quarta do mês, assisti a apresentação dos sentinelas do palácio vestidos com uniformes do século XIX, que ocorre a cada meia hora, em frente a Plaza de Oriente. Óbvio que entrei no Palácio e visitei as suas salas mega hiper super pomposas.

Plaza de España

Plaza de España

Como cada minuto numa viagem vale ouro, de lá segui para a Plaza de España, que é uma das mais importantes de Madri, de onde sai a Gran Via, principal artéria da cidade. No meio da praça tem um monumento a Miguel Cervantes, escritor do famoso livro Dom Quixote. Por isso as duas estátuas, uma de Dom Quixote e a outra de Sancho Pança, ambos montados em seus cavalos. 

Na Europa adquiri o hábito de sentar em bancos de praças e pensar na vida, ou às vezes nem pensar em nada mesmo, somente relaxar. Gastei algumas horas por lá, se não fosse a fome de 20 mendigos somalianos eu teria dado uma de Bruno e Marrone e dormido na praça. #PiadaSemGraça.





Uma vez "dominado" o centro de Madri, voltei para a Plaza Mayor e ataquei os bares de La latina, que fervem a partir do final de tarde. O Lamiak e o Txacolí, na Calle Cava Baja, são duas ótimas opções. E não deixe de provar os pintxos: frio (creme de gorgonzola com nozes numa espécie de bruschetta) e quente (foie gras com fruta).


FOTOS de Madri.




Como Madri não é uma cidade para um dia só, continua na próxima postagem.