domingo, 27 de julho de 2014

MILÃO

Dia 11/11/2012, e continua minha jornada de trem pela Itália, dessa vez peguei o trem na Venezia S. Lucia em direção à Milano Centrale

Estação de trem Milano Centrale

Me hospedei no Ostello Bello, um hostel aconchegante e com um bar super transado na recepção. Ah, quem se hospeda lá ganha um chopp caprichado de boas vindas!

Recepção/Bar do hostel Ostello Bello

Milão é uma das cidades mais caras da Europa e, sem dúvida, a mais cara da Itália. Líder no país em termos de dimensão, educação universitária, programação cultural e atividade política, sua região metropolitana é o sistema nervoso da economia da Itália. 

Estrategicamente localizada, é a sede de aproximadamente 200 bancos italianos e outros 40 estrangeiros. De igual importância são os setores fashion e de design. Hoje há aproximadamente 12 mil empresas dedicadas ao mundo da moda, 800 showrooms e 6 mil outlets. 

Piazza del Duomo com o Duomo di Milano ao fundo.


Comecei a visita ao Duomo di Milano, que fica na Piazza del Duomo, uma das maiores e mais impressionantes catedrais góticas do mundo, que começou a ser erguida no século XIV. Claro que não pude deixar de subir no telhado e admirar a espetacular vista da cidade, a sensação de pisar no telhado da terceira maior catedral do planeta, que levou quase 430 anos para ser finalizada (em 1813), é inigualável.

Interior do Duomo di Milano

Telhado do Duomo di Milano

Piazza del Duomo é lotada de pombos, o que proporciona um espetáculo a parte. Até estranhei a forma como os turistas interagiam com essa ave, que considero tão nojenta. Alguns homens ficam na praça vendendo um punhado de milho para que as pessoas atraíssem os pombos para SUAS MÃOS e posassem para fotos. #JamaisJovem #NuncaSerá

Piazza del Duomo

Mapa da Piazza del Duomo (Piazza Scala no centro superior)

Logo ao lado do Duomo fica a Galleria Vittorio Emanuele II, que liga a Piazza del Duomo à Piazza Scala. Construída no século XIX por Giuseppe Mengoni, é o símbolo da elegância dos milaneses. Milaneses bem vestidos e turistas abastados dividem o espaço nessa galeria cheia de lojas famosas (a primeira loja da Padra fica lá, por exemplo). 

Galleria Vittorio Emanuele II

No centro da galeria, no chão, está o touro que tem fama de transmitir fertilidade. Basta colocar um de seus calcanhares sobre os testículos do animal e girar no próprio eixo. E acreditem, fazem fila para isso!!! Óbvio que eu fiz também, é, no mínimo, engraçado pagar esse mico.

Touro da fertilidade na Galleria Vittorio Emanuele II

Dali segui para a Piazza Scala, onde fica o impressionante Teatro alla Scala, casa de ópera construída entre os anos de 17776 e 1778. Confesso que não resisti e adotei um dos mais comuns passatempos milaneses: a arte de olhar vitrines. Peguei a Via Alessandro Manzoni, percorri a Via Montenapoleone, a Via della Spiga e a Corso Venezia, que juntas formam o "Quadrilátero de Ouro", onde estão reunidas as grandes grifes do mundo. É coisa de outro mundo, em menos de 5 minutos de caminhada entendi o porquê desse nome, todos os produtos valem o seu peso em outro. #TôFora 

DICA: Pegue a Corso Vittorio Emanuele II, as lojas sob as arcadas são bem mais acessíveis.

Bem, depois dessa caminhada toda eu estava com a fome de 20 mendigos somalianos, parti para o Panzerotti Luini (Via Santa Redegonda, 16), o melhor fast-food de Milão, que existe desde 1949. Panzerotti é uma pizza frita crocante, com recheios variados (o de queijo com tomate é imperdível). No começo eu me assustei com a fila: ela é grande, mas é rápida. E o bolso agradeceu a experiência! 

Aproveitei o resto da tarde para dar uma volta pelo centro histórico e visitar a Pinacoteca Ambrosiana (Piazza Pio XI, 2) para conferir, entre outras, as obras de Caravaggio e Botticelli. A Pinacoteca Ambrosiana é uma galera de arte que fica dentro da Biblioteca Ambrosiana. Seu nome vem de Ambrósio, o santo padroeiro de Milão.

Pátio do Castello Sforzesco

No dia seguinte, 12/11/2012, visitei o Castello Sforzesco, uma fortificação do século XIV erguida pela família Visconti (entrada grátis). Esse 'castelo' tem uma história muito interessante, mas atualmente acolhe várias coleções dos museus e galerias de arte da cidade.

Fachada do Castello Sforzesco

Depois da visitação gastei o resto da manhã e o começou a tarde passeando pelo Parco Sempione, um parque de 386.000 m² localizado em frente ao Castello Sforzesco.

Parque Sempione

Confesso que estava odiando Milão, depois de conhecer Roma, Vaticano, Veneza e Florença... Milão fica "meio sem graça". Não sei dizer se o frio e os altos preços contribuíram para tal percepção, mas quando cheguei no Parque Sempione, tudo isso mudou.



Nunca fiz um passeio tão relaxante e prazeroso com esse. A ideia era gastar no máximo 1 hora no parque e fiquei quase 4 horas. Foi nesse dia que adquiri o gosto pela "natureza", mesmo que não seja na sua forma bruta. Observei cada centímetro por onde passei, admirando as folhas, árvores, flores, lagos, peixes, aves, o ar puro, o vento... simplesmente tudo!



Do outro lado do parque fica o Arco della Pace (Arco da Paz) que começou a ser construído em 1806 a pedido de Napoleão para comemorar suas vitórias.

Arco da Paz

À tarde, eu tinha programado passear pelo bairro Brera, um lugar de lojas bacanas, cafés, artistas e estudantes de Belas Artes, mas como o parque ocupou o meu tempo mais que o previsto, parei para almoçar/jantar pela área mesmo.


À noite visitei a região do Navigli, onde há vários bares à beira dos canais, como o Spazio Movida (Ascanio Sforza, 41). O esquema é o seguinte, você paga a bebida e os petisco são de graça. Quer despedida melhor?

Canal Alzaia Naviglio Grande


FOTOS da visita à Milão.




E assim terminou minha viagem pela Itália. Deixou saudades.


quarta-feira, 23 de julho de 2014

VENEZA

Dia 09/11/2012, peguei o trem na estação Firenze S. M. Novella em direção à estação Venezia S. Lucia. Aliás, já comentei como é bom viajar de trem na Itália? Até o trem mais simples fica luxuoso em comparação aos trens do Brasil. A imponente estação fica em frente ao rio Canal Grande e ao sair dela você já se sente em Veneza. #Jura?

Em frente à estação Venezia S. Lucia

Eu fiquei hospedado no Hotel Universo Nord, que fica bem próximo à estação. Sua localização vale por si só, mas confesso que a ausência de elevador me chateou um pouco.

Ao passar pela cidade, percebi muitos prédios tão velhos que as paredes chegam a fazer "barriga". Dava impressão que o edifício cairia a qualquer momento. Mas Veneza possui a incrível capacidade de transformar uma cidade "caindo aos pedações" em um lugar charmoso, bonito e estonteante.

Praça de São Marcos

Como eu cheguei cedo em Veneza, comecei a expedição na Piazza San Marco, possivelmente a praça mais famosa do mundo. Peguei um "vaporetto" até lá. - Vaporettos são barcos que fazem o transporte pelos canais de Veneza. - A praça é de uma magnificência incomparável, um daqueles lugares que faz você se perguntar: "Será que eu estou realmente aqui?". 

Praça de São Marcos

A paisagem da praça é dominada por monumentos diferentes, como a Basílica de São Marco, o Campanário (torre que abriga sinos da basílica), o Palazzo Ducale e a Torre do Relógio. A praça é o centro turístico da cidade e, por este motivo, está sempre lotada. Outro elemento que não passa desapercebido são os majestosos prédios que cercam a praça, conhecidos como Procuratie, construídos originalmente para abrigar os escritórios do procurador da cidade. O que se vê lá hoje são lojas caríssimas e restaurantes, como o Caffè Florian, o mais famoso café de Veneza. 

Construída em 1063, a Basílica de São Marcos é uma verdadeira jóia da arquitetura bizantina. É lá que fiam guardados os restos mortais de São Marcos, o Evangelista. A entrada da Basílica é grátis, mas não deixe de visitar o Museu de São Marcos (aproximadamente 4 euros), que fica no nível superior da basílica. 

O Campanário de São Marcos (Campanile), imensa torre que fica na praça de São Marcos, é com certeza a melhor vista que se pode ter de Veneza do alto. A entrada não é muito barata (aproximadamente 8 euros), mas a vista panorâmica da cidade vale cada centavo. O que mais me surpreendeu foram os telhados, todos muito bem cuidados, não vi uma telha fora do lugar!

O Palácio Ducale era a residência do Doge, o dirigente e a pessoa mais poderosa de Veneza. Com uma arquitetura gótica impressionante, o palácio tem duas colunas de mármore vermelho que compõem a fachada. Era lá que os nomes de condenados à morte pela República eram anunciados. Ingresso a 14 euros.

Outro ponto turístico é a Torre do Relógio (Torre dell´Orologio), um lindíssimo prédio do século XV que abriga um dos maiores relógios astronômicos do mundo.

Ponte di Rialto

Na ida e na volta, passei por uma das pontes mais famosas da cidade, a Ponte di Rialto. Assim como a Ponte Vecchio em Florença, funciona não somente como um meio para cruzar o Grande Canal, mas também como uma espécie de shopping center, pois é repleta de lojas. É a ponte mais velha cruzando o Grande Canal, uma jóia da arquitetura, construída originalmente em madeira, por volta do século XII. Após vários colapsos, a ponte foi reconstruída em pedra em 1591, em um estilo parecido com a original.

Pôr do sol na Ponte di Rialto

Espetacular! 

No dia seguinte, 10/11/2012, optei por visitar Murano, que é um conjunto de sete ilhas que se localizam em torno de Veneza, o que dá um pouco mais de meia hora de vaporetto.


Vaporetto - A caminho de Murano

Hortifruti em Murano

Murano é mundialmente famosa pelos artigos de vidro que são produzidos lá, verdadeiras obras de arte de altíssima qualidade. Encontra-se artigos de decoração, de mesa e até lustres pelos mais variados preços.



Fábrica de vidros em Murano

A primeira coisa que fiz foi visitar uma fábrica de vidros, é fantástico o trabalho deles. Comprei um globo terrestre em miniatura de vidro que, atualmente, enfeita minha escrivania. 


Murano parece uma versão em miniatura de Veneza, mas, mesmo assim, tem seu próprio charme devido à produção de vidro. Além disso, o arquipélago tem diversas pracinhas onde os trabalhos dos artesãos do vidro ficam exibição, bem como lindas igrejas e pontes.



Outro toque super especial de Murano são as flores nas varandas de alguns prédios. Cheias de cores e imaculadamente posicionadas, elas são diferentes de qualquer outra coisa que já vi por aí: são todas feitas de vidro!!!!

Outra opção que não tive tempo de conhecer é a Ilha de San Michele que abriga o famoso cemitério da cidade, uma das principais atrações turísticas de Veneza.

Ao voltar para o hotel vi todos os empregados retirando os móveis da recepção, no dia seguinte os rios de Veneza transbordariam alagando a cidade inteira, me safei por pouco!

Passeio de gôndola

Infelizmente não fiz o famoso passeio de gôndola porque sozinho não tem graça. Encontrei os mais variados tipos de gôndolas, inclusive algumas bem luxuosas. Os preços são os mais variados também.

Para variar, bati poucas fotos porque queria aproveitar o local.





segunda-feira, 21 de julho de 2014

PISA

No dia 08/11/2012 aproveitei para dar um pulo em Pisa e tirar aquela clássica foto com a Torre de Pisa. Apesar da cidade não ter muitos atrativos para o turismo, creio que seja uma parada obrigatória para quem visita a Itália. 

Catedral e Torre de Pisa

A Torre de Pisa é um campanário da Catedral de Pisa (Campo dei Marcoli). É a terceira estrutura mais antiga da praça da Catedral.



A torre começou a ser construída em 1173 e começou a inclinar em 1178 após a construção do terceiro andar. Isto ocorreu devido a fundação de meros 3 metros em um subsolo fraco e instável. Em 1993 inciou-se o trabalho de restauração da Torre que diminuiu 40 cm de inclinação.

Centro da Torre de Pisa 


Sino da Torre de Pisa 

EU ESTAVA TENTANDO EMPURRAR O SINO DE VERDADE!

Não deixe de subir na Torre, vale a pena cada centavo do ingresso.

 Cidade de Pisa do alto da Torre de Pisa

Catedral de Pisa e Batistério de São Giovani do alto da Torre de Pisa

Vaza Torre de Pisa!!!

DICA: para bater aquela foto maneira é preciso estar entre a Catedral e o Batistério, bem no ponto vermelho no mapa abaixo. Deu para perceber na foto acima que eu não tinha noção disso quando visitei a Torre, mas deu para bater umas fotos legais.

Praça da Catedral de Pisa (by Google Maps)




Achei um BLOG bem legal com 10 dicas do que fazer em Pisa, vale a pena conferir.

Até +!

domingo, 13 de julho de 2014

FLORENÇA

Dia 06.11.2013, finalizei Roma e na Estação de Trem ROMA TERMINI parti para Florença, em italiano Firenze. Me hospedei no PLUS Florence, um hostel bem localizado, aconchegante, com bom atendimento e alma jovem.



Florença é o berço do Renascimento, a cidade do despertar artístico do século XV, terra dos escritores Dante e Maquiavel e dos pintores-escultores Botticelli, Michaelangelo e Donatello, que transformaram a cidade em uma das principais capitais culturais do mundo. 

Com tantos artistas nascidos e vividos aqui, a cidade possui preciosos edifícios de arquitetura renascentista e muitas estátuas e monumentos espalhados pelas várias praças que formam o centro histórico - super compacto e facilmente percorrido a pé -, com suas ruas fechadas ao tráfego de veículos.

NOTA: Meses depois eu começaria a ler o livro INFERNO de Dan Brown que se passa grande parte em Florença, por causa do tema secundário, o escritor Dante Alighieri, autor de Divina Comédia.



Passear pelas praças da cidade, cruzar seus becos e vielas e visitar o mercado central é uma obrigação. 



Mercado Central

Depois do passeio, cheguei a Piazza San Giovanni onde está localizado o Bastittero di San Giovanni. Ao lado dessa Piazza, está a Pizza del Duomo onde fica a gigantesca Basílica di Santa Maria del Fiore, centro geográfico, quarta maior igreja da Europa e o edifício mais alto da cidade. A fachada dessa igreja é toda trabalhada em mármore branco, cor de rosa e verde-claro. A entrada é gratuita, porém, paga-se para subir até seu topo. Existe também um museu anexo à igreja.


Basílica Santa Maria del Fiore (Catedral de Florença)

 Restaurante na Pizza San Giovanni e Basílica Santa Maria del Fiori ao fundo



Se preparem para a alimentação, paga-se muito caro por muito pouco, assim como na Itália inteira. Bem, se isso é ser chique, acho que não curti muito essa parada não. Quando o garçom me entregou o prato de lasanha que pedi, não consegui disfarçar minha expressão de insatisfação. Só não perguntei se aquele prato era a amostra grátis porque não sei falar italiano. Ah, paguei uns R$ 40,00 pelo prato.

Bem ao lado da Catedral fica o Campanário de Giotto, uma torre de 84,75 metros que só é possível subir pelos 414 degraus no seu interior. E adivinha? Eu subi! #Cansativo reparem na minha respiração no vídeo abaixo.

Campanário de Giotto

Depois parti para a Piazza della Signoria, a praça principal de Florença, onde encontra-se o Pallazo Vecchio. Apesar de seu papel político ao longo dos ano, hoje o Palazzo Vecchio é, em sua maior parte, um museu. Vale a visita para checar os afrescos em paredes e tetos, as esculturas, as salas apresentadas com mobília original e sem falar da super vista que se tem lá de cima.

  Palazzo Vecchio

A próxima parada foi a Ponte Vecchio, um dos passeios mais gostosos de Florença. Construída em 1345, a ponta é cheia de joalheiras e antiquários. CUIDADO! Como em todo lugar do mundo existem vigaristas. Peguei um cara vendendo um colar de ouro 8 quilates alegando ser melhor que outro 24 quilates. Após dar umas boas risadas, dei um toque nas velhinhas.

Ponte Vecchio ao fundo   

Atravessando a ponte, do outro lado do Rio Arno, é possível reparar os inúmeros Pinóquios à venda. Seu criador, Carlo Lorenzini, nasceu em Florença.



E nada nada melhor para fechar o dia em Florença que assistir ao pôr do sol no Mirante Piazzale Michealangelo. A galera normalmente se reúne aqui no fim do dia para ver o sol caindo sobre Florença, lugar perfeito para tirar aquela foto panorâmica clássica da cidade.


***

No dia seguinte, 07/11/2012, aproveitei para explorar a parte artística da cidade. Existem dois principais museus em Florença, um deles é a Galleria dell'Accademia, que é a escola de belas-artes fundada em 1953 e tem como principal obra a colossal escultura de Davi de Michaelangelo, com seus 5,16 metros de altura. Inicialmente a escultura ficava na Piazza della Signoria, mas em 1873 foi transferida para a Galleria para ser melhor conservada. Hoje, na Piazza, encontra-se uma réplica.


Piazza della Signoria

E o segundo grande museu é a Galleria Uffizi, que é o maior museu de arte da Itália, com uma grande coleção de esculturas greco-romanas e pinturas florentinas, do Gótico ao alto Renascimento. Seu ponto alto é a famoso pintura "O Nascimento de Vênus" de Botticelli.


O Nascimento de Vênus, de Botticelli.

O ideal é tentar comprar o combo das entradas para museus, se puder comprar antes melhor ainda porque as filas não são nada agradáveis. Para variar, tirei poucas fotos.




E aqui deixo o relato de um dos lugares mais incríveis que já conheci e que pretendo um dia voltar. Até breve Florença!


domingo, 6 de julho de 2014

VATICANO

Dia 05 de novembro de 2012, dia de visitar o menor Estado do mundo, tanto em população quanto em área, o Vaticano. Eu sou evangélico e minha crença diverge um pouco da crença Católica, mas o Vaticano é um lugar fantástico e conhecê-lo é uma obrigação cultural.

Praça São Pedro

A visita começou pelos Museus do Vaticano, um museu que abriga obras de inestimável valor financeiro e artístico. Mas sem dúvidas, o ponto alto da visita é a Capela Sistina, pintada por diversos artistas. Mas confesso que esperava mais, além do lugar cheirar a mofo, não é tão grande quanto parece. A Criação de Adão, de Michelangelo, faz parte do afresco. É nesta sala que acontece o Conclave, cerimônia onde são escolhidos os novos Papas.


Capela Sistina

A Criação de Adão

Depois, a visita continuou na Basílica de São Pedro, a maior igreja cristã do mundo. Sob o altar da basílica, que curiosamente não é uma Catedral, está enterrado um dos doze apóstolos de Jesus, Pedro, que inclusive foi o primeiro Papa da Igreja Católica. Situada na Praça São pedro, a basílica foi construída com a contribuição de gênios da arte, como Micheangelo, Rafael e Bernini. Dentro da basílica, não pude deixar de observar o Duomo de Micheangelo e a Pietà, do mesmo artista. Sob o solo da basílica, visitei as Tumbas Papais, onde encontram-se as tumbas de diversos Papas, dos mais famosos até os mais desconhecidos.


É importante chegar cedo porque o lugar fecha às 17h. e você não percebe a hora passar. O lugar é tão rico de detalhes que é impossível observar tudo em apenas algumas horas. O lugar esbanja arte, luxo e calma. #MinhasPercepções 

Bati poucas fotos porque o lugar é tão fascinante que gastar o tempo batendo fotos ao invés de observador, admirar e estudar o local é um pecado! Sem falar que é proibido bater fotos em quase todo o Vaticano, rs. 




Informações importantes:

Horários de abertura:



Os Museus do Vaticano fecham todos os domingos, exceto o último domingo de cada mês, mas não permite reservas ou compra de ingressos antecipados para esses dias.

Os museus também estarão fechados durante os seguintes feriados:

01 e 06 de janeiro

11 de fevereiro 
19 de março
21 de abril 
01 de maio 
29 de junho 
14 e 15 de agosto
01 de novembro
08 de dezembro, 25 e 26 de dezembro


REGULAMENTO PARA ADMISSÃO:

Recomendamos apresentar-se 15 minutos antes da hora indicada no comprovante de reserva.

O acesso aos Museus é permitido apenas aos visitantes com roupas apropriadas.
Todas as reservas, dias e horários podem ser alterados ou cancelados devido a circunstâncias imprevistas relacionadas com as atividades do Papa.

Reservas serão honradas somente se o comprovante das reservas for apresentado a TuscanyAll. Caso o visitante não apresente o comprovante no dia da visita, nenhum reembolso será concedido.

Para reservar o Vaticano exige estritamente os nomes de todos os participantes.



TARIFA - INGRESSOS ÚNICOS PARA GRUPO COORDENADO POR UM ASSISTENTE:   ..

Inteira
Reduzida
Gratuita
€ 28.50
€ 20.50
Somente crianças com menos de 6 anos de idade



TARIFA - VISITA GUIADA (3 HORAS):

Inteira
Reduzida
Gratuita
€ 44.00
€ 39.00
Crianças com menos de 6 anos de idade
não necessitam de bilhete de ingresso



TARIFA - VISITA GUIADA (4 HORAS):

Inteira
Reduzida
Gratuita
€ 49.00
€ 42.00
Crianças com menos de 6 anos de idade
não necessitam de bilhete de ingresso



Os preços incluem o bilhete de ingresso, a taxa de reserva e a taxa de serviço para reservas online (8,50 euros)



COMO ESCOLHER O INGRESSO CORRETO:


Os preços incluem o bilhete, a taxa de reserva e taxa de serviço para reservas online.

 Bilhete com tarifa reduzida
- Cidadãos da União Europeia com menos de 18 anos de idade 

•• Bilhetes gratuitos
- Cidadãos da União Europeia com menos de 6 anos de idade 

 Atenção: A taxas de serviço online (8,50 euros) são obrigatórias, exceto para crianças menores de 6 anos de idade.




POLÍTICA DE CANCELAMENTO:


Em caso de cancelamento, entre em contato conosco.

Desde a data da reserva até 4 dias antes do dia da visita, a penalidade é 12,50 euros por bilhete.
Para os cancelamentos comunicados a TuscanyAll a partir dos 3 dias antecedentes à visita, a penalidade aplicada é o inteiro valor do bilhete (100% do valor total) e não dá direito a qualquer reembolso. 

TAXAS DE SERVIÇO NÃO SÃO REEMBOLSÁVEIS SOB QUALQUER CIRCUNSTÃNCIA. (informações extraídas do site Rome Museum)


#Vaticano